quarta-feira, 30 de março de 2011

Não sei explicar...

Não sei explicar a relação que tenho com os cavalos ou que aparentemente eles têm comigo. Sei que desde cedo foi uma paixão. Aquele olhar que pensa, que nos olha, que mesmo em silêncio parece ler-nos por dentro. O porte, altivo, que deslumbra pela beleza e pela robustez. Mas é mais que isso...é uma sensação de liberdade, de pertença a algum lugar e a lugar nenhum. É a capacidade de confiança em quem nos transporta e nos acolhe em si. É como se cavalo e homem fossem um só.
Não sei explicar... mesmo sem experiência na matéria algo mexe cá dentro.
Por isso tomei uma decisão! Aprender a montar como manda o figurino. 
Escusado será dizer que, as primeiras vezes que me aventurei, fiquei como se tivesse estado numa aula de body combat.  Mas por incrível que pareça, é como se fosse uma necessidade. Parece que o tenho que fazer, não sei bem porquê...sei que quando lá estou o tempo corre à velocidade de cada galope...é muito bom!

Não sei explicar...

ps - Um dia levo-te comigo :)

sexta-feira, 25 de março de 2011

Uma noite destas

Uma noite destas perdi-me com um rapaz a ver as estrelas...num céu de verão, quente e em que as constelações estavam visivelmente presentes. Encantei-me...o céu brilhava, as palavras saiam e tudo parecia encaixar-se com uma naturalidade surpreendente. Acredito que o rapaz, que me falava de estrelas e me falava de sonhos, também se deixou encantar. Criámos e recriámos todos os cenários e mais alguns dentro das nossas cabeças. Rimos muito também...de nós mesmos, da nossa doidice, da nossa cumplicidade.
O tempo passou...hoje, o rapaz que se interessava por estrelas, partiu...ou não partiu, não sei bem, acho que se deixou ir... ou ficar... submerso num mundo em que as estrelas o deixaram de fazer sorrir a meu lado, em que eu comecei a ser um peso, um problema, um descontrolo na sua vida.
Hoje, por me interessar por estrelas, ou por me ter interessado por um rapaz que se interessa por estrelas, olho o céu novamente. Desta vez não ha rapaz que me explique, que me ouça, que partilhe, que me agarre a mão e fique em silência enquanto o fumo do cigarro cai...hoje, subo o mais alto que consigo, tento agarrar aquele brilho, que uma noite que me perdi com um rapaz a ver estrelas, o céu tinha...
Hoje, estendo a mão, mas não há mão que a agarre...
Mas hoje, também digo ao rapaz que o Amo. Mesmo quando ele menos merece.. amo. Com cara de má...amo...com pé a abanar muito...também amo...em silêncio....amo...
E enquanto conseguir olhar o céu, enquanto as estrelas me sorrirem...vou amar!

sexta-feira, 18 de março de 2011

E é isto...



O tempo passou tão rápido...olho-me ao espelho e não me reconheço. Tento encontrar justificação para o que tenho feito este ano da minha vida e não consigo entender como cheguei aqui, que caminho percorri. De repente percebo que na cama, às voltas durante a noite, ouço o teu respirar a meu lado. Viro-me para o outro lado e continuas a abraçar-me com aquela intensidade. A tua mão agarra a minha...não consigo libertar-me... Tento mergulhar nos sonhos para sair dali e de repente estamos a passear à beira mar como sempre desejei. Percebo que estou a sonhar, que entro num mundo de imaginação, de desejo, de fantasia. Sinto-me cada vez mais vulnerável, deixo-me cair sobre o meu corpo, inerte, não resisto e ali fico...
Acordo exausta, sento-me na cama e olho em redor. Nada se mexeu, o relógio marca 3 horas da manhã e o silêncio estremece-me...tu não estas e eu continuo sozinha naquela cama que me engole todas as noites. 
Faço mais um balanço e percebo que me perdi de mim quando comecei a amar-te sem exigir nada em troca...o que me dás é isso mesmo...nada...
Ontem foi um dia importante e mais uma vez não estiveste, não fizeste questão sequer de marcar alguma diferença. Apenas um sinal, como quase uma centena que recebi de estranhos. Mas tu não eras, ou pelo menos, não deverias ser. 
Hoje voltaste a desiludir-me...não te reconheço, não sei quem és e já nem sei quem sou!


segunda-feira, 7 de março de 2011

Num outro Carnaval!

sábado, 5 de março de 2011

Quando estás longe, o tempo não anda...tento dar um empurrão aos ponteiros. Tento enganar os dias.
Às vezes falo contigo, chamo-te como se estivesses ali...como se nunca tivesses saído dali...
Engano o tempo e a mim...

Não demores...

sexta-feira, 4 de março de 2011

Estou quase quase neste estado...só me faltam mesmo os rolos!!!

quinta-feira, 3 de março de 2011

Não olhes...

quarta-feira, 2 de março de 2011