quinta-feira, 28 de julho de 2011


Talvez agora seja o tempo de reconsiderar, de não pensar e deixar acontecer...
Talvez agora seja o tempo de também eu fazer alguma coisa por mim...
Se te fez bem a ti...talvez me faça a mim também...

quarta-feira, 20 de julho de 2011

Que ridículo é o amor! Estás aqui e isso é suficiente para sentir um apaziguar do coração. Não sei se vieste esta noite por mim, já não sei se o fazes por mim...mas na minha consciente ingenuidade quero acreditar que sim, que isso também de reconforta. Quero acreditar que os teus gestos simples, discretos e os teus silêncios mostram que me queres perto. Sem palavras, fica...acolhe-me esta noite e abraça-me forte ate adormecer no teu peito...

segunda-feira, 18 de julho de 2011

Vidas paralelas

Por muito que me esforce não consigo conceber a minha existência sem ti. Como posso ter uma vida paralela à tua e saber que em ponto algum nos vamos intersectar? Como posso aceitar que não vais mais ter participação nos meus  dias? Como me vou acomodar a uma existência a preto-e-branco? Como vou abrir portas e não te ver entrar? Como posso admitir que os meus dias estremeçam sem a espera de um sorriso teu (que saudades tenho dele)? 
Diz-me como posso viver sem ti a roçar a minha vida toda?
e TU como consegues aceitar isso? Logo tu, um inconformado que nunca se acomodou...Não é Amor o que sentes! Nem tão pouco a dor da perda que manifestaste, te fez dar um passo....

quarta-feira, 13 de julho de 2011

terça-feira, 5 de julho de 2011